Postagem em destaque

Novo site no Ar!

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

A Grande Babilônia Misteriosa - Parte 3

Graça e Paz a todos, voltamos com a terceira parte do estudo sobre a Babilônia Misteriosa, na segunda parte vimos um pouco sobre a vida de Nimrod, o homem adorado como o deus Sol (se você não viu clique AQUI), continuaremos agora com a vida de sua mãe-esposa, Semiramis, e veremos como ela ajudou a disseminar as ideias de Satanás por entre os povos. Essa meretriz iniciou todas as falsas religiões do mundo.



Semiramis, a mãe-esposa de Nimrod

Segunda a tradição histórica, um dos netos de Noé, Cuxe, tomou por mulher Semiramis, e dela teve um filho chamado Nimrod, quando seu pai morreu, Nimrod possui a própria mãe como esposa. Sendo mulher de Nimrod, o deus Sol, Semiramis passou a ser conhecida como a deusa Lua, e como mãe dele, se tornou a Rainha dos Céus e a Mãe de deus. Semiramis era uma mulher perversa e idólatra.

Quando Nimrod morreu, logo ela pensou em inventar uma mentira para contar ao povo, aliás, um deus não pode morrer, ainda mais o deus Sol, então ela disse que ele teria ascendido aos céus e que de lá estaria vigiando e protegendo a todo. Ela estabeleceu que o culto ao Sol seria através de uma chama, e que Nimrod estaria presente entre eles sempre que acendessem uma vela como adoração. O culto aos astros é muito antigo na história da humanidade, a adoração a natureza tomou o lugar de Deus em quase todos os povos antigos, Semiramis e Nimrod serviram como personificação de tais deuses, Lua e Sol, por serem muitos influentes em suas épocas.

Depois que seu filho-esposo morreu, Semiramis se deitou com muitos homens, e de uma dessas prostituições nasceu Tamuz, logo ela começou a dizer que o menino era Nimrod encarnado, revivido em forma de uma criança que nasceu a partir dos raios solares. Tamuz, na língua hebraica se tornou Baal, que quer dizer senhor ou marido, “Senhor”, pois a criança era sagrada e “marido”, pois este era a encarnação do seu filho-esposo. Começou-se a representar a mãe com o filho no colo, ou amamentando-o.

Semiramis virou “filha” de Atargatis, a deusa-peixe, a imortal, mãe de todas as terras do Norte, já que o peixe era visto como um animal sagrado, pois foi o único a sobreviver ao dilúvio. Ela ensinou que os ciclos da lua eram estágios para a ovulação da mesma, que aconteceria na lua cheia. Em um dia de lua cheia, a deusa Lua ovulou, o ovo caiu no rio Eufrates e dele ela teria nascido. Semiramis passou a ser associada ao ovo, que na língua antiga é Ishtar, que quer dizer Ovo (a palavra “ovo” em inglês, Easter, tem a mesma raiz, ela vem do Inglês antigo EASTRE, do proto-germânico AUSTRON, uma deusa da fertilidade e da primavera*, de uma fonte Indo-Europeia AUS-, “brilhar”. “Brilhar”, se refere a fase da luz cheia, quando esta brilha em sua plenitude e gera um ovo).

*Todas as deusas pagãs são associadas a fertilidade e ao amor, Semiramis também foi considerada a deusa do amor e da fartura.

Semiramis era vista como a Imaculada, a Mãe Cósmica. Ela e o seu filho agora eram encarados como o cumprimento da profecia de que de uma mulher iria nascer o salvador. A adoração a mãe e ao filho, foi uma forma descarada de Satanás colocar o seu “messias” no lugar do verdadeiro Ungido: Jesus. Aqui já dá para ver um pouco do Mistério da Babilônia, e como ela se torna a Mãe de todas as abominações da Terra, a troca de Jesus por falsos cristos blasfemadores é obra mestre do diabo.

No decorrer dos fatos, em um dia, Tamuz foi morto por um porco selvagem. Semiramis disse que este não morreu, mas que se tornou imortal, passando desta vida para voltar ao céu. Também disse que o sangue de Tamuz caiu em um pedaço de madeira e dela nasceu uma árvore linda árvore verde, Semiramis decretou quarenta dias de choro e luto. A Bíblia narra esse tipo de adoração a Tamuz: E levou-me à entrada da porta da casa do Senhor, que está do lado norte, e eis que estavam ali mulheres assentadas chorando a Tamuz – Ezequiel 8:14. As mulheres choravam ao deus Tamuz como forma de adoração, pois acreditavam que este era o deus da fertilidade, a partir do seu sangue que caiu em um tronco seco e gerou uma grande árvore verde, então quando as plantas secavam, era sinal de que Tamuz havia morrido, logo começavam a chorar os quarenta dias, no ano seguinte ele ressuscitava, na colheita, quando as plantações eram abundantes.

Depois de muito tempo Semiramis morreu, mas os seus sacerdotes e devotos disseram que ela havia subido aos céus em forma de pomba*. Estava estabelecida a adoração que imitava a trindade, o pai (Nimrod), o filho encarnado e ao mesmo tempo sendo o pai (Tamuz) e a pomba. Sei o que você está pensando: Que blasfêmia!!!!

*É importante prestar atenção nesses símbolos e títulos: Lua, Sol, estrela, pomba, deusa do amor, fertilidade, ovo, e nos conseguintes, pois eles serão fundamentais para entender a razão do ódio de Deus pela Babilônia Misteriosa, pois era se opõe fortemente a Ele, querendo tomar-lhe o lugar.

A disseminação da falsa doutrina

Antes mesmo da morte de Nimrod e de Semiramis a adoração à mãe e ao filho, à Lua e Sol, já se havia difundido pelo mundo. Quando a ideia de construir a torre de Babel foi destruída por Deus e as línguas dos seus construtores foram confundidas, cada um partiu para um pedaço de terra e assim o mundo começou a ser habitado. Mas esses povos tiveram apenas as línguas mudadas e não os seus corações e sua cultura, logo cada povo levou para sua terra a adoração a Mãe e ao filho, a Lua e ao Sol. Em cada língua eles foram chamados de um nome diferente, mas sendo o mesmo deuses e os mesmos espíritos por trás deles.


“Mas a introdução dos ídolos no mundo começou porque os homens estavam espalhados por toda parte, e não possuíam nem mestres nem legisladores, nem qualquer outro que lhes mostrasse o caminho da verdade, por onde deviam caminhar. Por isso é que caíram em erros audaciosos. Alguns deles, no seu desvio, adoravam o sol, outros a lua e as estrelas, outros a terra e os animais selvagens, os pássaros, os insetos, as árvores, as rochas, os animais marinhos, as águas e os ventos. Por essa forma, Satã cegou os seus olhos, fazendo com que errassem nas trevas do engano, por não terem esperança na Ressurreição. Quando alguém deles morria, fabricavam uma imagem que se parecesse com ele e colocavam-na sobre a sua sepultura, para que não se desvanecesse dos seus olhos a sua lembrança. Quando o erro se havia disseminado sobre toda a terra, esta estava repleta de ídolos de toda espécie, masculinos e femininos.” – A Caverna dos Tesouros 24:4-6

Resumo:

Nimrod teve uma esposa que era a sua própria mãe, Semiramis. Ele era adorado como o deus Sol, e sua mãe-esposa passou a ser a deusa Lua, a Mãe de deus, a Rainha dos Céus. A religião de Babel girava em torno da adoração aos astros e aos céus. Quando Nimrod morreu, Semiramis teve um filho chamado Tamuz, alegou que este era seu filho-esposo encarnado. Teve início a idolatria a mãe e ao filho, o Sol e a Lua juntos. Semiramis inventou muitas mentiras, pregando que Tamuz era o messias prometido. Nas lendas persas e gregas, Semiramis foi uma grande rainha que reinou sobre a Pérsia, Assíria, Armênia, Arábia, Egito e toda a Ásia, durante mais de 42 anos.

Quando Deus separou as línguas, foi espalhado pelo mundo o culto a Semiramis e a Tamuz.

Na próxima parte abordaremos acerca da propagação desse sistema religioso através de todos os povos, seus símbolos e como eles estão diretamente ligado a Satanás, que usou 
esses deuses para que os homens o adorassem em lugar de Cristo.

Neste ponto terminamos a terceira parte, na quarta parte deste estudo discutiremos a religião do Antigo Egito e como ela está repleta de simbologias que nos levam a Babel e consequentemente ao diabo.

Se você gostou do nosso trabalho não deixe de compartilha-lo.

Encontre-nos também no Facebook: Página O Poder do Espírito Santo

Que a Graça de Deus esteja presente com todos vocês.

Para a realização desse estudo foram usadas fontes de livros e da internet.

As ideias expressas no estudo são de responsabilidades do autor,

Por Maxwell Marques,


Deus sabe mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário